Ana Salazar by Herlself: Ser Diferente

23.1.16


Ler a revista Vogue do mês de Fevereiro e ler, nomeadamente, a história da incontornável musa da Moda Portuguesa: Ana Salazar, fez-me perceber, ainda mais, que ser diferente pode ser bom. É incrível ver como  tempo passou mas que, ao fim ao cabo, nada mudou. A mentalidade das pessoas pequenas continua ainda mais pequena ao passo que a crueldade é capaz de ter duplicado. 
Ao desfolhar  a revista e ao sublinhar as várias passagens da história de vida de Ana Salazar, percebi que são somente umas décadas que nos separam porque, em termos de vivências, temos algumas que coincidem. Passou de besta a bestial num piscar de olhos. Ana recorda os tempos em que era apontada por ser diferente: por ter um cabelo diferente, por ter uma forma de vestir diferente, por não se importar de ser diferente.
Confessa que se sentia bem em Londres onde ninguém olhava para ninguém. Onde todos eram livres e tinham o seu próprio eu sem, sequer, ser necessário menosprezar este ou aquele que não se vestia de igual forma. Tal como a própria refere "Lá eu via as pessoas a caminho do teatro, ela de vestido comprido, ele de smoking, E depois cruzavam-se no metro com os punks com os blusões, os picos e os cabelos azuis ou vermelhos, com um ar superagressivo, mas havia uma coexistência pacífica."


A dada altura da sua maravilhosa narrativa, li um momento no qual me revi. Senti que a minha história se tinha cruzado a ela sem que nada o apontasse. Das várias situações pelas quais passou e que davam conta da rivalidade que havia por ser diferente, Ana, refere que chegou a ser como que humilhada em pleno restaurante por "um grupo de jovens, vestidos de forma clássica e conservadora que começaram a comentar o meu aspeto". Neste sentido, não foi de modas e depois de já muito ter ouvido e, consequentemente, calado, não conseguiu conter-se. A célebre máxima "vocês riem-se de mim por ser diferente, mas eu rio-me de vocês por serem todos iguais", foi o mote e foi o que a fez libertar-se um pouco daquilo que estava a sentir. 
Agora a vossa questão deve ser: "mas, então, em que raio é que a história da Ana Salazar, se iguala à do Miguel?!". A resposta é simples eu próprio já sofri isto na pele. Eu próprio já fui apontado por me vestir de uma forma diferente e que, de certo modo, difere do que a grande maioria dos rapazes veste. Já tive, inclusive, um miúdo a perguntar ao irmão "Mano!! Mano!!! Aquilo é um menino ou uma menina?". Naturalmente engoli em seco e disse para mim que a educação tem de partir de casa e não pode ser dada por ninguém de fora. Continuei o meu caminho e pensei que o ser diferente é o que realmente me distingue. Imaginem... Se não fosse diferente, onde estava a piada do Pieces Of Me?!
Acho que não fazia sentido ter um blog onde os conteúdos e onde a minha própria personalidade fosse um robot ou fosse igual às demais. Isto de ser diferente mas, sempre, fiel a mim mesmo dá-me um gozo enorme. Sei o que sou. Sei o que passei.... E isso basta-me. Felizmente não tenho necessidade de provar nada a ninguém.


Ana By Herself:
"Back to the Future" é a coleção-cápsula de edição limitada que viaja 30 anos atrás no tempo e recupera o essencial de Ana Salazar nas suas criações, actualizando esse ADN para esta nova marca. A mesma identidade sob um novo ponto de vista, mais inovador e fruto de uma regeneração quase obrigatória numa época onde a sede pela novidade aumenta dia após dia.
Num desfile discreto para um público restrito, os dezasseis coordenados juntavam a simplicidade obscura e abundância de fechos de Ana Salazar com a excentricidade das peças de Valentim Quaresma que preencheram os coordenados do evento.


Algo que também me cativou ao longo desta passagem foi a tamanha hipocrisia que existe nesta sociedade. A partir do momento em que a Ana começou a sair nas revistas de moda por dar que falar no meio, passou de besta a bestial, tal e qual como se diz na gíria. Tenho de ser cru neste sentido. As pessoas começaram a abordá-la na rua e começaram a respeita a diferença que, anos antes, criticavam como ser algo do além. Felizmente Ana Salazar sempre foi muito forward. Sempre foi uma visionária e sempre conseguiu reinventar-se. Assim como eu. Sinto que, depois de ter provado várias coisas no blog, referentes àquilo que eu sou capaz, houve muita gente a abordar-me e vi os comentários anónimos e depreciativos baixarem. 
O que é triste, no meio disto tudo, é que a necessidade que os outros têm de que nós provemos que a diferença nos pode levar longe... Mesmo que não saiamos do mesmo sítio, entendem?! É preciso provar que ser diferente não é ser diferente mas, sim, sermos nós próprios. Custa aos outros aceitar que temos uma personalidade tão nossa e que não vivemos de padrões nem de mecanismos.





Fonte: Vogue


Mais do que algo pessoal, este post serve, também, para dar a conhecer a sua nova marca: Ana by Herself. Ainda que, a nível nacional, não lhe seja atribuído o valor que realmente merece, tenho imenso orgulho que seja uma das criadoras Portuguesas com maior talento e com uma capacidade enorme de renascer mesmo após várias quedas. 
Possivelmente este texto ou até mesmo este post não vai ter a força de chegar até ela. Contudo, queria agradecer-lhe os ensinamentos que consegui retirar da maravilhosa entrevista que deu à Vogue. Mostra que não há que ter vergonha do que somos ou do que queremos ser. Aliás, demonstra que devemos ter orgulho nisso ao mesmo tempo que não devemos perder a nossa essência. Porque... Ser diferente, é ser bom!

  • Share:

You Might Also Like

49 Pieces

  1. Muito obrigado Miguel! Eu irei abordar esse assunto futuramente no meu blogue! Eu cresci numa ilha de mentalidade fechada e havia muito essa tendência de apontar o dedo e falar pelas costas. Mas eu não vivo de acordo com a sociedade, vivo de acordo com os meus pensamentos e objetivos! Fico feliz por saber que tu conheces essa sensação de "enfrentar a sociedade", só demonstra que eu não sou a única nesta grande luta ahah

    http://photographybyvania.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Realmente tens toda a razão! A Ana Salazar é uma mulher cheia de talento, já por diversas vezes tive o prazer de estar com a estilista e é uma pessoa 5 estrelas com uma personalidade muito marcante! eheh
    Beijinhos!
    _________________________
    www.focusonmeblog.com

    ResponderEliminar
  3. Ser diferente não é sinónimo de ser melhor. Ser diferente é sinónimo de sermos melhores para nós próprios. Sermos nós, aquilo que somos quando estamos em casa sozinhos ou com a família, aquilo que somos com os amigos de longa data... Não aquilo que as fotos possam transmitir! Já passei por snob (coisa que não sou definitivamente xD) mas que me dá uma certa piada ouvir e saber isso. Além de andarem a falar de mim, não me conhecem para além das fotos do blog (gente com mente pequena, whatever haha!)
    A mentalidade humana só chega a um certo nível e desse nível é rara aquela que evolui e aceita os que estão à sua volta. A Ana Salazar é uma lutadora e um exemplo a seguir de como devemos ignorar os comentários das mentes captas e sermos nós. E tentar sempre ser melhor! E nunca ser igual ao resto da sociedade, que vive num padrão e que consome aquilo que lhes mostram.
    Também já passei, para algumas pessoas que me seguem, de "besta a bestial". É bom saber que somos inspiração para as pessoas que nos seguem. Mas contudo ainda sou besta para muitas, haha! Mas é isso que dá força para ser ainda melhor. Para ser ainda mais eu.

    Nunca mudes ;)

    Love, Marie Roget

    ResponderEliminar
  4. Não podia estar mais de acordo contigo! O que nos marca nas outras pessoas é o facto de sermos diferentes e não apenas só mais um, quer essa diferença seja no modo de falar, de vestir ou de pensar!
    Beijinhos,

    http://try-to-be-a-rainbow-in-someones-cloud.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. wow amazing!!

    kisses
    www.aprendiendoaquererme.com

    ResponderEliminar
  6. Eu sei como é ser diferentes, eu amo mistirar estilos, eu amo roupa punk e adoro misturar com vintage, e diferente é, mas me representa, pois sou uma mistura desses estilos. Eu lembro que quando eu era criança eu ama customizar as minhas roupas, claro não ficava nada extraordinário,mas me fazia me sentir muito bem, mas que teve um idiota que tirou essa paixão de mim,que destruiu a minha pequena máquina de custura e jogou fora as minhas linhas, as minhas agulhas e os meus tecidos,eu poderia ter me tornada uma grande estilista que essa pessoa não divesse desfeito desse meu pequeno prazer. Eu acho que as pessoas sempre vão julgar o que é diferente, pois eles também queriam se diferentes, só que em suas mentes pequenas esta enraizado a ideia que todos somos robôs, que devemos agir e ser todos iguais, mas isso não tem piada. Eu gosto de ser diferente, eu gosto de me sentir diferente, isso me faz bem,isso me mostrar que eu sou unica e que eu sei agir e bem por conta própria, pois não preciso seguir os padrões de ninguém a não ser o meu.
    Se voce tem fama você e de mais, se não voce e só um esquisito, esse e o pensamento hipócrita da nossa sociedade.

    Aishiteruemcontos.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  7. Great items Really interesting post...thx for sharing! xx

    ResponderEliminar
  8. Gostei imenso de ler esta pequena review sobre o artigo! A verdade é que não acompanho muito o trabalho dela mas é sem duvida um grande exemplo!
    Grande beijinho,
    Madalena

    www.maadalenaaa.blogspot.com

    ResponderEliminar
  9. Ela é fantástica, a minha madrinha tem imensas peças dela, é super fã. O post está demais! ❤

    ResponderEliminar
  10. O mal maior é que as pessoas se dizem com uma mentalidade muito aberta, mas depois não lidam bem com a diferença.

    r: É claro que acreditamos <3

    Concordo contigo, meu anjo*

    ResponderEliminar
  11. Gostei de ler este post, mesmo interessante. Temos que ir viver para Londres mas é, enquanto as pessoas aqui continuarem de mente fechada! Como é possível gozarem com alguém e mandarem mesmo bocas só por acharem alguém diferente do padrão que essas mentes pequeninas acham "normal"?? Não suporto estas coisas, já estava na hora das pessoas evoluírem!

    ResponderEliminar
  12. concordo com cada palavra.. sou bem mais velha que tu e lembro me muitos bem de chamarem à Ana tolinha, maluqinha, pirosa e por ai e a cor do cabelo na época (anos80) era escandalosa e a maneira como se vestia sem nexo.. E depressa passou de besta a bestial porque vingou por si e já todos a achavam fantantica.. É mesmo uma grande senhora que sempre se manteve fiel à si mesma num Portugal de mente pequena..
    beijinhos
    http://belezademulheremae.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  13. I like your blog, its really dope.
    Do you want to follow each other?
    If you want, than follow me, and let me know in comments, so I can follow you back with pleasure.
    We can follow each other on Instagram @andjela.dujovic, let me know in the comments so I can follow you back.

    www.bekleveer.com
    xoxo

    ResponderEliminar
  14. Nossa e pensa numa coisa diferente né?

    http://alinesecretplace.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  15. Antes de mais Miguel, trata-me por "tu" por favor:)
    E ADOREI este post...adoro esta mulher! Adorei ler mais sobre ela.
    Obrigada por partilhares.
    Beijinhos
    elisaumarapariganormal.blogspot.com

    ResponderEliminar
  16. Adorei o post !!!

    http://gossipmagazine2000.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  17. Nice and interessant post dear!
    new post http://piubuonepiubelle.blogspot.it/

    ResponderEliminar
  18. Fantastic post dear! Hope you have a lovely day.

    http://fairyland111.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  19. A nossa sociedade está programada para um certo padrão e, quando alguém sai dele, as restantes pessoas olham, estranham e, infelizmente, criticam pela negativa.
    Admito que, ao longo da minha vida, também já estranhei certas coisas mas tentei e tento não ter uma mente fechada, até porque sei o que é o bullying..
    Conclusão...parabéns Miguel por não quereres ser igual a todos os meninos e, consequentemente, teres um blog que é um espetáculo ;)

    Beijinho*

    Cristiana Teixeira ~ Pink and Sparkle

    ResponderEliminar
  20. Muito interessante seu post Miguel, realmente ser diferente incomoda muito as pessoas, engraçado que todo mundo deveria estar preocupado em alcançar um nível desse: se você mesmo, busca e viver sua própria essência. Seu post está muito bom e eu ficaria imensamente feliz se chegasse até ela, pois noto o forma admirável como você a descreveu.
    Beijinhos
    blogueirasara.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  21. Olá! Gostei imenso do teu blog e já te estou a seguir! Adorei o post <3

    Beijinhos,
    Inês de Castro from Fashion Gets Fierce

    ResponderEliminar
  22. R: Demorei um bocadinho a responder, mas para te situares tem a ver com o mestrado. Precisava de saber tudo o que há para saber xD

    ResponderEliminar
  23. Gosto imenso dela, especialmente por ter um estilo completamente diferente :) Acredito mesmo que ser "normal" é sobrevalorizado... São as pessoas que pensam e se exprimem de forma inovadora (seja na forma como se vestem, ou no seu trabalho, etc.) que acabam por se destacar e também por levar uma vida mais livre, porque não estão preocupadas com o que as mentes pequenas possam dizer!

    | INDIGO LIGHTS

    ResponderEliminar
  24. Gostei imenso de ler o teu post, não sabia a história da Ana Salazar.
    É impressionante como as mentes continuam tão pequenas...e tão interesseiras.
    Sinceramente tomara muitos rapazes saberem vestir-se como tu sabes...tanta discriminação só porque te cuidas.
    Também já sofri com os comentários alheios: porque não era bonita, porque tenho personalidade e não sou uma maria vai com as outras e tenho opiniões minhas. Enfim, hoje em dia passa-me ao lado...não vale a pena ficarmos a pensar no que os outros dizem sobre nós. Tenho pena deles....!
    Enfim :P
    Beijinhos Miguel***

    http://chocopink89.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  25. Muito obrigada pela visita volta sempre adorei
    Beijinhos
    CantinhoDaSofia

    ResponderEliminar
  26. Seu texto me fez pensar quantas vezes julgamos pela aparência, ao invés de buscar conhecer a essência do indivíduo. A hipocrisia das pessoas também é algo deplorável, antes o que era ruim aos olhos da maioria torna-se maravilhoso quando ela começa a ganhar espaço nas revistas de moda. Certa vez, estava em uma papelaria e vi uma garota com um estilo bem diferente dos demais. Enquanto a maioria usava blusas e jeans ela usava sobreposições e chapeu mesmo estando em uma cidade aonde fazia muito calor. O estilo dela era semelhante ao que nós vemos em blog de moda. Eu admirei bastante, mesmo sem conhecer achei autêntica, sei que outras pessoas poderiam julgá-la, mas aquele era o estilo dela e o importante é que ela estava se sentindo bem consigo mesma.

    blogilumiinar.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  27. Não tens de agradecer nada. Limito-me a ser sincera e a dizer-te o que penso :D <3
    Obrigada pela força Miguel. De facto, não tem sido muito fácil. Tenho sentido imenso aquela ausência porque já o sentia como um membro da família e custa muito saber que nunca mais o vamos ter aqui por casa. Mas passo a passo a dor vai amenizando :)
    Adoro a Ana Salazar, vejo nela uma inspiração e uma pessoa com um talento enorme! Subscrevo inteiramente o que disseste! :)
    http://bloguedacatia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  28. Amazing post!
    Have a nice week-end!
    Photographe Gil Zetbase
    http://www.gilzetbase.com/

    ResponderEliminar
  29. Uma mulher cheia de força que não desiste de lutar.

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  30. Nice pictures ♥♥♥

    innakeils.blogspot.com

    ResponderEliminar
  31. Adorei o exemplo que ela nos dá, de que todos temos nossa particularidades e a forma como ela expõe o preconceito que sofreu.

    Beijos
    BlogCarolNM
    FanPage

    ResponderEliminar
  32. Eu disse que tinha a Vogue e já tenho na minha mão !
    A entrevista dela, também achei muito interessante, conhecer um pouco da vida dela.
    Achei engraçado a forma como ela falou como esticava o cabelo "com o ferro de engomar".
    Naquele tempo era um pouco complicado considerar certos tipos de moda, principalmente o famoso anos 70 que ela fala.
    O que temos que considerar é que é um grande exemplo a quem muitos podem inspirar e admirar ! :D
    Kiss Jasmim** | Blog da Jasmim | Instagram | Bloglovin'

    ResponderEliminar
  33. Sempre tive um estilo diferente, e sempre foi posta de parte por "colegas" e afins, nunca deixei de usar nada, não agradamos a todas as pessoas, e estas pessoas que nos criticam, tudo isto deve se ao facto de não se ter respeito uns pelos outros o que deriva da falta de educação que têm ou que nunca tiveram. Ser diferente é marcar pela diferença e ainda bem que nunca baixamos as armas as estes, por isso Miguel continua a ser a pessoa maravilhosa que és e fashion ;) Não ligues a isso ou deixes que isso te afecte.
    Gosto imenso da nova colecção dela.
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  34. é tudo isso que nos difere e que nos faz especiais, segui o tem concelho e comprei a Vogue por causa da Power Bank, mas ainda não a li toda, gosto de ler com calma e com uma boa chávena de chá na mão. Ainda só deu uma vista de olhos na revista, li a parte das noivas e a da Naomi, e bem, saltei a Ana Salazar e saltei mal, vou já ler!
    Também sofro/sofri um pouco da mesma coisa na escola, era olhada como diferente, mas agora eit, já não ligo tanto ao que dizem sobre mim, e sabe ao ler o teu post recordei esses tempos e vejo que eu e a Ana temos algo em comum, depois de eu estar em Londres sempre que algo menos bom acontecia eu só pensava para mim mesma, Londres! Quero voltar para Londres, lá ninguém me julga, as pessoas passam por mim e cumprimentam-me, ninguém goza comigo, ninguém faz pouco de ninguém pela maneira de vestir. Inglaterra, apesar de ser um pais conservador, em termos de moda é um pais bastante aberto e não só... EDUCADO! Quem me dera voltar lá! Já falta pouco para o liceu acabar e quem sabe, se eu vá estudar para lá como um sonho antigo que tenho!
    Tem uma óptima semana Miguel!
    Beijinhos!
    xx, Edna
    http://nevergottenmercury.blogpsot.pt/

    ResponderEliminar
  35. Obrigada! Vou tentar trazer mais conteúdo deste género ao blog e, consequentemente a vocês :)
    Adoro a Ana, sempre gostei. Tal como tu, também me identifico bastante com ela. Sempre fui apontada por ter excesso de peso na adolescência e, quando emagreci quase 20 quilos, vi as pessoas que antes me evitavam a vir ter comigo como se me conhecesse muito bem. A verdade é que este tipo de humilhações que sofremos por sermos diferentes nos fazem crescer, e muito! São esses episódios da nossa vida que nos fazem entender o mundo melhor, assim como nos tornam pessoas mais fortes.
    Gostei do post!
    Kisses,
    Messy Hair, Don’t Care | Giveaway Zara 25€ Gift Card

    ResponderEliminar
  36. Oi Miguel!
    Que grande personalidade, e com muito a ensinar. Gostei de conhecê-la. :)
    beijos ♥
    nuclear--story.blogspot.com

    ResponderEliminar
  37. A Ana Salazar tem uma história muito intrigante e é uma verdadeira lição de vida para muita gente!

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  38. Me ha encantado este post!

    http://modernastrega.blogspot.com.ar/

    ResponderEliminar
  39. Somos todos iguais mas diferentes e é isso que nos torna interessantes, já viste a pasmaceira que seria se fossemos todos iguais???
    Para mim vergonha é roubar e não sermos diferentes, é na diferença que está a "piada" da vida ;).
    Beijinhos

    misscokette.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  40. Mesmo antes de ler todo o post, não podia deixar de concordar com esta frase tua: "a mentalidade das pessoas pequenas continua ainda mais pequena ao passo que a crueldade é capaz de ter duplicado" - acho que assenta que nem uma luva na sociedade actual. E acabada de ler todo o post, na realidade não posso é deixar de concordar com tudo o que escreveste. E tenho mesmo de concordar com o que a Ana Salazar disse sobre Londres - esta pode não ser a representação de uma sociedade perfeita, mas nalguns aspectos para lá caminham, que lá anda tudo de metro sem grandes debates de inferioridade/superioridade. Se fossem assim em todo o lado...

    Se há conceito que deveria ser ensinado aos miúdos logo desde que são pequenos é o conceito de "diferente". À medida que uma pessoa se vai debruçando sobre estes temas, apercebe-se cada vez mais que temos uma tendência para desprezar o "diferente" por ser desconhecido, quando deveria ser exactamente o contrário. Desculpem-me a expressão mas realmente o mundo seria uma "seca" se fossemos todos iguais. Pegando aqui no tema do que se veste, sou capaz de não ser propriamente diferente e ser bem mais banal, mas orgulho-me bastante por ter uma personalidade diferente do que vejo à minha volta, e de não ser mais uma em milhões de cidadãos (peço desculpa se ofender alguém) que ainda continuam com a sua mentalidade presa no início do século passado.

    Lamento que tenhas ouvido comentários como esses, que são totalmente desnecessários. Não que os mais velhos sejam já casos perdidos, porque semelhante coisa não existe se as pessoas estiverem dispostas a ver o Mundo para além dos seus umbigos, mas a mudança destas atitudes passa essencialmente por educar melhor os mais novos. Bem isto no fundo envolve não só uma mudança de baixo para cima como também de cima para baixo. É quase um ciclo vicioso. E se a educação deveria ser dada essencialmente em casa, mal também não fazia incluir este aspecto nas escolas, onde muitas vezes certas atitudes são perpectuadas porque "a educação só diz respeito aos papás", embora eu esteja perfeitamente de acordo que estas iniciativas de educação devam partir primeiramente dos pais.

    ResponderEliminar
  41. <3 Great post

    Meme xx

    http://www.thedayinthelifeof.co.uk/

    ResponderEliminar

Muito obrigado pelo comentário. A vossa opinião é sempre muito importante e ajuda-me a melhorar!
Após aprovação responderei nos vossos blogs.
Espero que voltem!



Sigam todas as novidades aqui:
Instagram × Facebook Oficial Page × Pinterest